Por que as pessoas sofrem tanto com o término de um relacionamento ou a morte de um ente próximo?

O ego, que é uma identidade artificial que criamos para viver em sociedade, se apega a coisas, pessoas, papéis, para nos mostrar, de maneira equívoca, “quem somos”.

Por isso criamos uma dependência afetiva e emocional de certas pessoas, e quando essa relação acaba sofremos muito com isso, e para alguns, a sensação é de que a vida acabou também, nada mais faz sentido, a vida perdeu a razão de ser. A maioria das pessoas que passam por isso se sentem tristes, perdidas, sem desmotivadas, mesmo que muitas vezes tentem esconder isso dos outros ou de si mesmas.

Já atendi pessoas que entraram em depressão depois de perder alguém, e isso é muito comum. Outros até pensam em cometer suicídio, tamanha a tristeza. Certa vez atendi a uma pessoa que me relatou ter ficado na cama por um ano depois de perder o pai e outrora mais um ano na cama depois de perder o irmão.

Esses dias conversei com uma pessoa que recém havia terminado um relacionamento de três meses, e ele estava completamente transtornado. Havia perdido muito peso, deixado de trabalhar, não conseguia pensar e falar em outra coisa senão na ex-namorada e o quanto “ela o fez sofrer”, pois até autoflagelação ele estava fazendo, com o corpo cheio de marcas. Mas ele me dizia: e o que eu não consigo entender é que se ela me ligar agora eu vou correndo pra ela. Como ele já tinha se consultado comigo antes, mas não deu continuidade às sessões, eu já havia identificado nele o sentimento de abandono, que o acompanhava desde o útero da mãe e que era o real motivo pelo qual ele estava passando por aquilo e ainda assim preferia ter a pessoa de volta a se sentir abandonado, apesar de saber que o relacionamento não era saudável.

Um exemplo muito claro dessa dependência emocional são as mulheres que sofrem agressões e abusos por parte do marido, mas que ainda assim aceitam, não denunciam e mais que isso, preferempassar por tudo isso a ter que se sentir abandonadas, rejeitadas ou sozinhas.

O mais importante a se saber é que tudo isto ocorre a nível inconsciente, onde o ego atua, o que significa é que, “mesmo sem querer”, a pessoa prefere se manter sofrendo a se livrar da dor.

A ótima notícia é que o EFT (manual gratuito) é o método mais eficaz que eu conheço para limpar as emoções negativas que fazem com que as pessoas passem por isso ou se mantenham assim por muito tempo.

Um bom exemplo de que o alívio pode ser muito rápido é de uma cliente que atendi e estava com síndrome do pânico desencadeada a partir de um namoro que acabou terminando depois. Nesse caso, o próprio relacionamento (e não o término) desencadeou a síndrome do pânico nela, e após o término acumulou-se com tristeza, desânimo, etc. Mas logo que começou as sessões ela já sentiu a melhora, e com apenas 4 sessões ela já estava se sentindo bem, aliviada e feliz novamente, livre das crises de pânico.

Ela havia me relatado que da última vez que ficou mal com o término de um relacionamento demorou 8 meses para ela esquecer a outra pessoa e começar a se sentir bem novamente. Mas desta vez, com as sessões foi tudo muito rápido e fácil, não restando raiva, ressentimento ou mágoa do outro.

 Esse sofrimento de rompimento doego com uma identificação pode ocorrer em outros níveis também, dependendo da sensibilidade de cada um e da importância que cada um dá as coisas, ou seja, com aquilo que o ego mais se identifica. Esse trauma pode ocorrer com a falência da pessoa ou da família, não ter mais um posicionamento, um status financeiro perante a sociedade. Pode ocorrer com a perda de um cargo, com a aposentadoria, perca de um emprego ou atividade. Relacionada ao corpo físico, como perca de movimentos, paralisia, tetraplegia, etc. Ou seja, qualquer coisa que nos afaste daquela imagem, pensamento e definição que temos de quem somos nós.

Se você se sentiu ou se sente assim, comece agora mesmo a limpar essas emoções negativas, e sinta-se bem novamente!